5 years of Fujifilm X-Series. 5 reasons to migrate.

January 25, 2016 Namour Filho Article 2 comments

I was recently in Tokyo, as a X Photographer, for the celebration of five years of the X Series, the largest event ever held by Fujifilm cameras division.

At the same time the company introduced a number of attractions such as galleries, lectures, the book launch of X Photographers and the launch of four new cameras and lens, having as main attraction the incredible X-Pro 2.
Plunged carefully at every opportunity to understand the spirit of the company, which I am an ambassador, closely. And I came back from trip with very encouraging certainties.
Many fellow photographers come to me every day to ask if it really worth it to migrate their systems to Fujifilm. Always given as an example my decision to become 100% user of the brand three years. But I needed to understand where the company is heading, and these days some precious doubts were answered.
I know many photographers will question me saying that the system is still not perfect, lacking this or that. Yes, I know, there are good points to be explored and developed, and like any other system, nothing is perfect.
But I like to put all my decisions on a scale, and choose the side that weighs more. For this reason I want to enumerate the points that influenced me and now weigh heavily in favor of the Fujifilm X series.

_DSF1652

I will give five reasons that make my mind:

1 – Fujifilm has its history linked to the history of photography
The company, which now has 86 years of history, was restructured from 2004, gained strength and high profitability, and has in the photography only 15% stake in its business.
Knowing this is very comforting, today the company has diversified its investments and is highly profitable, with strong business as Xerox, pharmaceuticals, medical diagnostics, cosmetics, broadcasting, paper and large format printing. That, contrary to what many may think, is a sign that the company has the chops to invest.
As it came from the photography business, and have a very strong culture in this area, the company values ​​its origins and prepares great strides and investments for the near future. This was the message given by its executives in the presentations of this great event.

_DSF1709

2 – Fujifilm is the only one who dominates the whole photography chain
The company understands not only of digital capture, but of photographic film, paper and printing.
For decades, Fujifilm shared with Kodak hegemony of the global film and photographic paper market. Those were glorious years with the development of high-tech patents in this field. At the same time the company has developed high-quality cameras, a whole technology of the brand Fujinon lenses, that is still very active, and minilabs that were sold heavily by dozens of countries.
And even with the diversification of their business, it made sure to keep developing all these areas, which were later invested in other businesses, such as in the diagnosis sector (with photographic films), and security, military and broadcasting (with Fujinon lenses) for example.
All this latent and highly developed technology is available in the development of X series, and is being used in every part of their bodies, sensors, circuits and lenses.
Imagine how much know-how will also be transferred to the system X in the future.

_DSF3687

3 – Fujifilm thinks photograph in a singular way

Another very important point, which I heard from the company executives. Fujifilm is concerned with making digital cameras that bring all the magic of the film, after all it is no wonder that all the accumulated experience in the manufacture thereof is maintained until today.
Therefore, understanding of so deeply colors, Fujifilm has created a unique sensor: X Trans. The layout design of the pixels of the already acclaimed sensor has been designed to give greater similarity possible to the concentration of old films silver halide. It generates as a result of higher color fidelity, less moiré and more similarity to the analogic grains. All this now enhanced in the new X-Pro2 so never seen before, with processing speed and more fidelity and sensitivity.
But in addition to producing a powerful and full raw information, the current focus is on the production of powerful JPEGs, with maximum possibility of customization and application of Fujifilm films filters simulations designed by its team of engineers, and which give a fine touch in the configuration file. Now with the launch of a new Acros Black and White filter, the list of possibilities was further made wider.
Honestly, as a photographer I want to shoot the most final image possible.
I want to focus on the moment, on the light, and not on post editing. Something that has lately become routine for professional photographers.

Fujifilm_X-T1_objektive

4 – Fujinon Lens X mount
Today the X series already has 21 lenses covering a range (equivalent Full Frame) from 15mm to 600mm with only the Fujionon lenses (not to mention other brands manufactured to X mount).
Every generation of lenses, improvements as powerful Optical Image stabilazation (up 5 points), sealing against weather, fast, and quiet engine, anti flare chemical baths and other advances are being added to lenses with high sharpness, very little chromatic aberration and imperceptible distortion.
All this designed for the APS-C sensor, which provides lenses smaller and lighter without any loss of quality.
The size has always been a very important factor for me, after all I’ve got 20 years of profession and after so long any weight that I don’t to take is a gain of comfort to my back.
All lenses ever made for the system have been designed to provide quality above 16 megapixel sensor of the first X Trans. Now with 24 megapixels of the new X-Pro2 full potential of these lenses will be revealed to their owners.

fujifilm-x-pro1-640x461

5 – Fujifilm understands the photographer soul

The X series came about five years after the successful partnership between Fujifilm and Nikon was closed in 2005. In this partnership the companies launched the incredible S series, which made up the minds of many professional photographers for the quality of colors and latitude of the Super CCD sensors developed by Fujifilm.
After the end of this cameras, the company has spent years studying his return to a highly competitive and developed market. And this return occurred with the launch of the X100, the first camera of this line. The X100 immediately became object of desire of thousands of professional photographers worldwide. With the success of this camera Fujifilm brougt the X-Pro1, the first interchangeable X series.
In a total of 5 years the company launched 18 cameras: the X10, X-E1, XQ1, X20, X100s, X-M1, X-A1 and X-A2, XQ2, X30, X100T, X-T1 and X-T10, as well as new E2s-X, X-70 and X-Pro2.
Since 2011 despite successive lower sales of cameras in the world market, the sales charts X Series grow year after year without any negative variation.
The big question is: What is the secret of its success?
And the answer is: It worked this way because these cameras and lenses brougt in your project a perfect understanding of what the photographer really needs. Are beautiful (awarded by the world’s leading design associations), are small, portable, with easy controls and traditional style, and ultimately deliver ready and beautiful images.
For the first time, after the advent of the digital age, professional photographers can carry light cameras, small and high quality, which are not mobile phones or point and shot cameras with dubious quality.
Bingo. This then the way to this great success.
But all this wasn’t made possible just by a stroke of luck
It was possible because of all this feedback from more than eight decades of market.
Adding to this strategy the company was concerned with constantly updating their cameras and lenses, implementing important advances and requests for your users periodically. And that was good, created loyal fans.
Fujifilm bets on unusual.
Unlike the philosophy of other companies, which always applied a policy of slowing technological advancement on their equipment to make users buy new models discarding the old ones.
And finally launched this whole line very fair prices below their DSLR competitors, offering an APS-C solution of equal quality (in some cases even higher quality) to their Full Frame DSLR competitors.
This combination was killer, making the brand became worshiped by photographers and photo clubs around the world.

_DSF1609

5 anos de Fujifilm X-Series. 5 razões para ingressar no sistema.

Recentemente estive em Toquio, como X Photographer, para a comemoração dos 5 anos da Série X, o maior evento já realizado pela divisão de câmeras da Fujifilm.
Simultaneamente a empresa apresentou uma série de atrações como galerias, palestras, o lançamento do livro dos X Photographers e o lançamento de 4 novas câmeras e 1 lente, Tendo como maior atração a incrível X-Pro 2.
Mergulhei atentamente em todas as oportunidades de entender o espírito da empresa, o qual sou embaixador, de perto. E voltei da viagem com certezas muito animadoras.
Muitos colegas fotógrafos me procuram todos os dias para perguntar se vale realmente a pena migrar de seus sistemas para a Fujifilm. Sempre dei como exemplo a minha decisão de tornar-me 100% usuário da marca a 3 anos. Mas eu precisava entender para onde a empresa está rumando, e nestes dias algumas duvidas preciosas foram respondidas.
Eu sei que muitos fotógrafos vão me questionar dizendo que o sistema ainda não é perfeito, que falta isso ou aquilo. Sim, sei disso, existem bons pontos a serem explorados e desenvolvidos, e como todo outro sistema, nada é perfeito.
Mas eu gosto de colocar todas minhas decisões em uma balança, e escolher o lado que pesa mais. Por esse motivo quero enumerar os pontos que me influenciaram e hoje pesam muito a favor da série X da Fujifilm.

_DSF1620
Vou dar as 5 razões que fazem minha cabeça:

1 – A Fujifilm tem sua história ligada à história da fotografia
A empresa, que possui hoje 85 anos de história, reestruturou-se a partir de 2004, ganhou força e alta lucratividade, e tem na fotografia apenas 15% de participação nos seus negócios.
Saber disso é algo muito reconfortante, hoje a empresa diversificou seus investimentos e é altamente lucrativa, com braços em negócios como a Xerox, indústria farmacêutica, diagnósticos médicos, cosméticos, broadcasting, papel e impressão de grandes formatos. Isso, ao contrário do que muitos podem pensar, é sinal de que a empresa tem fôlego para investir.
Por ser oriunda da fotografia, e ter um cultura muito forte nesta área, a empresa valoriza suas origens e prepara grandes passos e investimentos para um futuro próximo. Este foi o recado dado por seus executivos nas apresentações deste grande evento.

fujifilm_16499150_x70_digital_camera_black_1210899

2 – A Fujifilm é a única que domina a cadeia fotografica por inteiro
A empresa entende não só de captação digital, mas de filmes fotográficos, papéis e impressão.
Durante décadas a Fujifilm dividiu com a Kodak a hegemonia do mercado de filmes e papéis fotográficos mundial. Foram anos gloriosos com o desenvolvimento de patentes de alta tecnologia neste ramo. Paralelamente a empresa desenvolveu câmeras de alta qualidade, toda uma tecnologia em lentes da marca Fujinon, respeitadas até a atualidade, e minilabs que foram vendidos em larga escala por dezenas de países.
E mesmo com a diversificação dos seus negócios, ela fez questão de manter em desenvolvimento todas estas áreas de atuação, que depois foram aplicados em outros negócios, como no setor de diagnostico (com os filmes), e de segurança, militar e broadcasting (com as lentes Fujinon).
Toda esta tecnologia latente e altamente desenvolvida está a disposição no desenvolvimento da série X, e esta sendo usada em cada parte de seus corpos, sensores, circuitos e lentes.
Imaginem o quanto de know-how ainda será transferido para o sistema X.

_DSF1711

3 – A Fujifilm pensa a fotografia de forma única

Outro ponto muito importante, que eu ouvi da boca de executivos da empresa. A Fujifilm está preocupada em fazer câmeras digitais que tragam toda a magia do filme, afinal de contas não é a toa que toda a experiência acumulada na fabricação dos mesmos é mantida até hoje. E tem mais, suas câmeras fotografam imagens para serem colocadas a prova no papel, que é outro produto carregado de know how.
Por esse motivo, por entender de cores de modo tão profundo, a Fujifilm criou um sensor único: o X Trans. O projeto de disposição dos pixels do já aclamado sensor foi pensado para dar maior similaridade possível à concentração dos haletos de prata dos filmes antigos. Isso gera como resultado maior fidelidade de cores, menos efeito moiré e ruídos mais similares aos tão saudosos grãos. Tudo isso agora potencializado na nova X-Pro2 de modo antes nunca visto, com velocidade de processamento e muito mais fidelidade e sensibilidade.
Mas além de produzir um raw poderoso e cheio de informação para maior proveito principalmente de latitude, o foco atual é na produção de JPEGs poderosos, com máxima possibilidade de personalização e da aplicação de filtros simuladores dos filmes Fujifilm, projetados por sua equipe de engenheiros, e que dão um toque fino na configuração do arquivo. Agora com o lançamento de mais um filtro, o preto e branco Acros, a lista de possibilidades tornou -se ainda mais ampla.
Eu considero esse raciocínio muito válido. Como fotografo quero resultado, a foto o mais pronta possível.
Sinceramente, como fotógrafo que sou quero me preocupar com a imagem. Quero focar no momento, na luz, e não na pós edição. Algo que ultimamente tem se tornado rotina para os fotógrafos profissionais.

pic_02

4 – Lentes Fujinon para mount X
Hoje a serie X já conta com 21 lentes abrangendo um range (equivalente em Full Frame) de 15mm a 600mm só com as lentes Fujionon (sem contar outras marcas fabricadas para mount X).
A cada geração de lentes, aperfeiçoamentos como estabilizadores de imagens ultra potentes (com até 5 pontos), vedação contra o tempo, motores rápidos e silenciosos, banhos químicos anti flare e outros avanços vão sendo acrescentados a lentes com alta nitidez, pouquíssima aberração cromática e imperceptíveis distorções.
Tudo isso projetado para os sensores APS-C, o que proporciona lentes menores e mais leves, sem perda alguma de qualidade.
O tamanho sempre foi um fator de grande importância pra mim, afinal de contas já tenho 20 anos de fotografia e após tanto tempo qualquer peso a que deixo de levar é um ganho de conforto para minhas costas.
Todas as lentes já feitas para o sistema foram pensadas em proporcionar qualidade acima dos 16 megapixels do primeiro sensor X Trans. Agora com os 24 megapixels da nova X-Pro2 todo o potencial destas lentes será revelado aos seus donos.

_DSF1647

5 – A Fujifilm entende alma do fotografo

A série X surgiu aproximadamente 5 anos após a bem sucedida parceria entre Fujifilm e Nikon foi encerrada, em 2005. Nessa parceria as empresas lançaram as incríveis S1, S3 e S5, que arrancaram suspiros de muitos fotógrafos profissionais pela qualidade de cores e latitude dos sensores Super CCD desenvolvidos pela Fujifilm.
Após o fim desta linha a empresa passou anos estudando sua volta a um mercado altamente competitivo e desenvolvido. E essa volta se deu com o lançamento da X100, a primeira câmera desta linha. A X100 imediatamente tornou-se objeto de desejo de milhares de fotógrafos profissionais em todo o mundo. Com o sucesso desta câmera veio o lançamento da X-Pro1, a primeira intercambiável da série.
No total a serie lançou 18 câmeras: a X10, X-E1, XQ1, X20, X100s, X-M1, X-A1 e X-A2, XQ2, X30, X100T, X-T1 e X-T10, além das novas X-E2s, X-70 e da X-Pro2.
Desde 2011 apesar das baixas sucessivas de vendas de câmeras no mercado mundial, os gráficos de vendas da Série X crescem ano após ano, sem nenhuma oscilação negativa.
A grande pergunta é: Porque deu tanto certo?
E a resposta é: Deu certo porque estas câmeras e lentes trazem em seu projeto um entendimento perfeito do que o fotógrafo realmente precisa. São lindas (premiadas pelas mais importantes associações de design do mundo), são pequenas, portáteis, com comandos fáceis e estilo tradicional, e, finalmente, entregam imagens prontas e belas.
Pela primeira vez, depois do advento da era digital, os fotógrafos profissionais podem carregar câmeras leves, pequenas e de alta qualidade, que não são celulares ou câmeras point and shot de qualidade duvidosa.
Bingo. Esta aí o caminho para esse grande sucesso.
Mas tudo isso não foi possível apenas por um golpe de sorte.
Foi possível devido a todo este feedback de mais de 8 décadas de mercado.
Somando-se a essa estratégia a empresa preocupou-se com a atualização constante de suas câmeras e lentes, implementando avanços importantes e solicitações de seus usuários periodicamente. E isso foi bom, criou adeptos fieis.
A Fujifilm apostou no inusitado.
Ao contrário da filosofia de outras empresas, que sempre aplicaram a política de retardar o avanço tecnologico seus equipamentos para fazer com que os usuários comprem novos modelos descartando os antigos.
E por fim lançou toda esta linha a preços muito justos e bem abaixo de suas concorrentes DSLR, oferecendo uma solução APS-C de igual qualidade (em alguns casos até mais qualidade) a suas concorrentes Full Frame DSLR. Tudo isso a preços bem menores.
Essa combinação foi matadora, fazendo com que a marca tornasse objeto de adoração por fotógrafos e photo clubes de todo o mundo.

2 Comments:

  • Parabéns pela oportunidade e por trás a nós uma visão de como estão as intenções do fabricante de nossas câmeras e lentes.
    Sou Fuji a muitos anos, fã dos formatos médios e da incrível TX1 que me acompanhou por muitos anos. Migrei definitivamente e não me arrependi. Abs

    Pepe Mélega January 25, 2016 Reply
  • Parabéns pelo post! Obrigado por compartilhar com a gente todas essas informações preciosas! Um abraço!

    Julio January 26, 2016 Reply

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *